Escola para todos

Novo decreto federal determina que crianças com deficiência frequentem as classes regulares

 

 

Crianças e adolescentes com deficiência terão que ser acolhidos nas classes regulares, determina um novo decreto federal que torna o Brasil pioneiro em inclusão educacional. Pode ser uma boa notícia para o seu filho, mesmo que ele não tenha nenhuma dificuldade física ou intelectual.

 

Ultimas Noticías

4. Mai, 2015

Com o convívio, a inclusão

Portanto, nos próximos anos, aumentam as chances de que crianças com e sem deficiência convivam nas escolas, sejam públicas ou privadas. Estudiosos em inclusão social no mundo inteiro vêm comprovando os benefícios que a presença dessas crianças nas classes regulares traz ao grupo. "A inclusão implica melhor qualidade de ensino para todos", afirma a professora da Unicamp Maria Tereza Égler Mantoan, fundadora do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Ensino e Diversidade. "À medida que o docente pensar em novas propostas para esse público específico, atingirá também os 40% dos alunos com alguma dificuldade de aprendizado." Parece inacreditável, mas até recentemente era muito comum que um estudante sem nenhuma deficiência que não conseguisse se alfabetizar aos 7 anos fosse encaminhado a uma classe especial da rede pública. "Há cinco anos, essas salas viviam cheias de crianças sem deficiência alguma. Estavam lá por um fracasso escolar", alerta Daniela Alonso, psicopedagoga e especialista em inclusão.

Outro benefício prontamente identificado é o convívio com a diversidade. Na opinião de Liliane Garcez, da Apae, é na escola que aprendemos a ser cidadãos e a conviver com as diferenças. "Esse aprendizado traz grandes ganhos hoje e para o futuro. Até mesmo as empresas valorizam a inteligência emocional. Essas crianças serão profissionais mais flexíveis para lidar com opiniões diversas e respeitar o próximo", acredita ela.

5. Mai, 2015

O fim das "classes especiais"

Até o fim do ano, a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de São Paulo vai fechar sua escola especial, que desde 1981 ensinou a ler e escrever mais de 700 crianças com deficiência intelectual - a maioria com síndrome de Down. Diferentemente do que possa parecer, essa é uma boa notícia. Trata-se de mais um passo para inserir definitivamente essas crianças na sociedade, obedecendo a uma nova lei. Promulgado no ano passado pelo governo federal, o Decreto nº 6.571 determina que alunos com necessidades educacionais especiais - com deficiência intelectual e física - sejam acolhidos em classes comuns do ensino regular, acabando de vez com as "classes especiais". Ponto para nós: o Brasil é pioneiro ao tornar lei o que em muitos países é apenas recomendação. "Em 2007, orientamos os pais dessas crianças a matricular os filhos em escolas perto de casa e nos propusemos a fazer um acompanhamento por cinco anos. Estivemos em 300 instituições conversando sobre a adaptação dos estudantes", explica a coordenadora do Serviço Educacional da Apae, Liliane Garcez.

7. Mai, 2015

A trajetória de Marta Gil junto a pessoas com deficiência

Marta Gil
Um dos nomes mais respeitados no meio, essa paulistana, formada em Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, é especialista em comunicação e disseminação da informação na área da deficiência, especialmente em temas como trabalho e educação.

Marta Gil falando ao microfone. A trajetória de Marta Gil junto a pessoas com deficiência começa em 1976, quando foi convidada pela Fundação de Atendimento na Cegueira (FACE) a elaborar uma pesquisa sobre o perfil sociológico das pessoas com deficiências visuais (cegueira e baixa visão) no Brasil, com parceria da Fundação Projeto Rondon e Associação Brasileira de Educação de Deficientes Visuais (ABEDEV). Não havia, na época, nada sistematizado sobre o assunto: a “invisibilidade” dessas pessoas era ainda maior do que hoje. O quadro encontrado foi desolador nos nove estados pesquisados até 1982: pessoas com deficiências visuais não trabalhavam, pouco saíam e nem conheciam o sistema Braille, entre outras dificuldades.

Outro ponto de destaque em sua trajetória é a organização da Rede de Informações Integradas sobre Deficiência, na USP, em 1990, que teve como desdobramento a Rede SACI – Solidariedade, Apoio, Comunicação e Informação – projeto que coordenou até 2006 e que existe até hoje. Ela acredita que informação e comunicação são faces indissociáveis da mesma moeda: uma não existe sem a outra. É uma das fundadoras, e atual Coordenadora Executiva, do Amankay – Instituto de Estudos e Pesquisas (www.amankay.org.brSite Externo.), ONG que, desde 1989, atua na área de disseminação da informação para segmentos sociais em situação de risco, com ênfase no tema da deficiência. Atua como consultora para empresas e órgãos públicos, é palestrante em encontros nacionais e internacionais, tem um livro publicado sobre a história das pessoas com deficiência no SENAI-SP, participa de publicações e tem artigos em revistas, jornais e sites. Por sua trajetória, já ganhou vários prêmios, como uma Menção Honrosa no concurso “Projetos Inovadores Sociais”, promovido pela CEPAL/ONU e apoiado pela Fundação Kellogg e o Prêmio Mulher do Ano da Revista Cláudia, do qual foi finalista, além de menção honrosa no Prêmio Rádio Eldorado na categoria cidadania, entre outros. Marta Gil é também colunista da Revista Reação.